"Restava-me o amparo dos livros" - José Jorge Letria

quinta-feira, 14 de março de 2013

O Prisioneiro do Céu - Carlos Ruiz Záfon

Mais um livro do meu querido Záfon. É sem dúvida o meu escritor preferido. Utiliza as palavras certas no momento certo, cria personagens fantásticas e reencontrá-las sabe sempre bem. Gostei de ver o Fermín no mesmo livro que o David. Gostei de rever o Daniel, Bea e Sr. Sempere.
Este livro, realmente "junta muitas pontas soltas dos anteriores" e acho que não faz sentido lê-los em separado ou "saltitados", como já ouvi por aí.
Lê-se rápido, primeiro porque a editora fez questão de exagerar no tamanho de letra e no espaço deixado entre capítulos, e depois porque a história está repleta de mistério, algo que já é característico do escritor.
Quero o próximo livro sem dúvida! O autor ainda têm muita coisa para nos contar sobre esta Cidade dos Malditos.

Sinopse:

Barcelona, 1957. Daniel Sempere e o amigo Fermín, os heróis de A Sombra do Vento, regressam à aventura, para enfrentar o maior desafio das suas vidas. 
Quando tudo lhes começava a sorrir, uma inquietante personagem visita a livraria de Sempere e ameaça revelar um terrível segredo, enterrado há duas décadas na obscura memória da cidade. Ao conhecer a verdade, Daniel vai concluir que o seu destino o arrasta inexoravelmente a confrontar-se com a maior das sombras: a que está a crescer dentro de si.
Transbordante de intriga e de emoção, O Prisioneiro do Céu é um romance magistral, que o vai emocionar como da primeira vez, onde os fios de A Sombra do Vento e de O Jogo do Anjo convergem através do feitiço da literatura e nos conduzem ao enigma que se esconde no coração do Cemitério dos Livros Esquecidos

Sem comentários:

Publicar um comentário